LENDO

Verões Felizes

A família vai sair de viagem. A mãe chega ao carro por último e conta os passageiros.

“1! 2! 3! 4! 5! 6! 7 comigo!”

São ela, o pai e quatro filhos. Dá seis pessoas. Ninguém no carro se manifesta em relação à conta. Quem é o 7?

É um detalhe narrativo que pode passar despercebido logo nas primeiras páginas de Verões Felizes. Tanto quanto o próprio Verões Felizes pode passar despercebido por aqui. O álbum de Zidrou e Jordi Lafebre saiu na finaleira de 2016 no Brasil, pela Sesi-SP, causou um burburinho na mídia especializada – foi o melhor do ano pro Sidney Gusman e recebido com festa pelo PH – e virou, não sei por quê, um troço complicado de se comprar (online, no momento, só vejo na Comix e na Saraiva). E Verões Felizes passar despercebido seria uma pena, uma perda, um grande desperdício.


O caso é que o melhor adjetivo para descrever Verões Felizes é o seguinte: redondo. As páginas não têm nada mais nem nada a menos. O roteiro arma a premissa, desenvolve a trama, transforma os personagens principais, faz você se ver neles, afundar com eles e desafogar com eles. Com economia, com diálogo mínimo (e bem lapidado), com figuras que estão ali mais para agir do que ficar em monólogo ou exposição do que pensam ou do que querem.

Desenho e cor seguem o clássico do quadrinho franco-belga: ostentação e expressão. Quando os personagens falam, a sincronia entre expressão e fala é perfeita; quando não falam, o desenho diz o que, de fato, não deveria estar em palavras. E tem ambientação, tem detalhes, tem realismo. Tem a pausa para ver uma borboleta pousando numa flor, os poucos raios de sol que passam entre as folhas, o crop bem estudado para focar num sorriso de canto, num olhar de soslaio. Tudo entra na hora certa.

O caso é que Verões Felizes não tem nada, absolutamente nadinha de inovador ou de revolucionário. É uma história em quadrinhos bem feita, com tudo que já foi testado e aprovado para fazer uma história em quadrinhos bem feita. É tradicional como um filme da Disney. É redondo.

“Gostei muito da simplicidade da história: um casal em crise sai de férias e poupa os filhos da notícia da separação. Uma tia falece. Nada de extraordinário acontece”, me contou o tradutor do álbum, Fernando Paz, quando perguntei se ele tinha gostado. Ele diz que amou. “É o retrato das relações de família que nos comove.”

A primeira das minhas cenas preferidas é a dupla de páginas do velório. Apesar de ser extremamente convencional – quem sabe justamente por isso – é daquelas cenas para se estudar. Tem a chuva, tem o contraste entre as caras literalmente de enterro e os sorrisos, as lágrimas que surgem no meio dos sorrisos, as flores sobre a lápide que se amarram com uma cena anterior. Esta cena vale, sozinha, por um álbum inteiro explicando as relações entre cada integrante da família. E a maioria dos quadros nem tem falas.

Pode ser que eu tenha entregue um spoiler no parágrafo anterior. Mas não tem problema, porque não é do tipo de narrativa em que um spoiler vai fazer mal à leitura. Então, outro spoiler: minha segunda cena preferida é a em que aparece o Tchouki.

E aí eu confesso que não (me) entendi. A jogada em torno do Tchouki, que não vou entregar aqui, é um recurso manjado que volta e meia aparece na literatura, no cinema e nos quadrinhos. O motivo para a existência do Tchouki, que se revela na cena, também é um clichê dos mais simples. E a conversa entre Tchouki e a mãe é, convenhamos, simplória. Mas essa cena manjada, clichê, simples e simplória me deu uma pontada que eu tive que segurar para não sair pelos olhos. Em duas leituras.

Pois também tem isso: Verões Felizes é uma leitura de 15 minutos. Vinte, se você parar e admirar as paisagens do Jordi Lafebre. Aí você acaba, sente saudade de viver no meio daquela família e volta para o começo. E descobre que aquelas duas páginas de preâmbulo são brilhantes, porque sabiam que você ia voltar. E que vai voltar mais.

Marcado como:
LENDO

Resenhas ilustres

No final de 2015, o Mauricio Meirelles falou que queria testar novos resenhistas de quadrinhos na Ilustrada. Perguntou se eu teria interesse. Eu aprendi a ler jornal com a Folha de S. Paulo. Lá pela segunda ou terceira série, meu pai escolhia textos da Folha para eu praticar leitura de algo que não fosse gibi. Acho que dos 10 aos 20 e poucos anos, eu li todas as resenhas de cinema. Ficava em êxtase quando publicavam alguma coisa sobre quadrinhos. Estudei o Manual de Redação [ . . . ] LEIA MAIS

Carregando miniaturas...
Marcado como:
TRADUZINDO

Lorde Gato Era Porto: Traduzindo Lumberjanes

Lumberjanes: Cuidado com o Sagrado Gatinho saiu no final de 2016 no Brasil (e em Portugal). Foi minha primeira tradução para a Editora Devir. A série original, norte-americana, tem só três anos de idade. Foi criada na Boom!Studios, editora pequena que estava montando uma linha de HQs um pouco mais autoral e para explorar mercados alternativos (alternativos para o mainstream dos EUA). No caso, o de meninas. A premissa: um quinteto de escoteiras que têm aventuras sobrenaturais na floresta. A série já [ . . . ] LEIA MAIS

Carregando miniaturas...
COMPRANDO QUADRINISTAS

O Fabuloso Quadrinho Brasileiro de 2016

Faz exatamente um ano e uns dias que a Narval Comix lançou O Fabuloso Quadrinho Brasileiro de 2015, uma coletânea de quadrinho brasileiro que tentou representar o que foi feito de melhor nessa área no período de um ano – exatamente de julho de 2014 a junho de 2015. Rafael Coutinho e Clarice Reichstul organizaram o projeto e me convidaram para ser editor. Eles fizeram um listão de tudo que saiu no período – com o apoio de uma chamada pública [ . . . ] LEIA MAIS

Carregando miniaturas...
Marcado como:
TRADUZINDO

Tradução invisível

Comecei a fazer traduções para a Panini em 2009. Para a linha Vertigo, bem específico. Na época, o relançamento da Vertigo ainda não tinha sido divulgado. Tentei me meter no plano, sugerir séries, dar dicas. Leitor de Vertigo desde criancinha: eu. Dei um monte de opiniões. Uma das poucas coisas que eu falei de brincadeira era que, se algum dia publicassem Os Invisíveis, eu prometia que me esforçava para traduzir. Porque, haha, tinha tanta chance de publicarem Invisíveis quanto, sei lá, [ . . . ] LEIA MAIS

Carregando miniaturas...
Marcado como: