Arquivo de Tags

GILBERT HERNANDEZ



Resenhas ilustres

No final de 2015, o Mauricio Meirelles falou que queria testar novos resenhistas de quadrinhos na Ilustrada. Perguntou se eu teria interesse. Eu aprendi a ler jornal com a Folha de S. Paulo. Lá pela segunda ou terceira série, meu pai escolhia textos da Folha para eu praticar leitura de algo que não fosse gibi. Acho que dos 10 aos 20 e poucos anos, eu li todas as resenhas de cinema. Ficava em êxtase quando publicavam alguma coisa sobre quadrinhos. Estudei o Manual de Redação [ . . . ] LEIA MAIS


02/02/2017

O Fabuloso Quadrinho Não-Brasileiro no Brasil em 2015

Ainda não tinha comentado por aqui, mas estou trabalhando como editor convidado de uma antologia chamada O Fabuloso Quadrinho Brasileiro de 2015. O convite veio da Narval Comix, mais exatamente do Rafael Coutinho e da Clarice Reichstul, para escolher (trechos das) melhores HQs de autores brasileiros que saíram entre junho de 2014 e junho de 2015. Até demos um entrevista pr’O Globo. Estamos na reta final de autorizações dos participantes e o livrão (vai ser grande) sai no FIQ, em novembro, depois em [ . . . ] LEIA MAIS


16/09/2015

Guia de Compras Natal 2014

Olá! Você deve estar aqui porque seu/sua filho(a), marido(a), namorado(a), amigo(a) secreto(a), chefe(a) ou afim passou o link e disse “que isso, pode ser qualquer presente. Mas se você tiver um tempinho…”. Bem-vinda(o). Este é um site sobre quadrinhos. Se você quiser saber mais sobre quadrinhos, leia os outros posts. Se não, vamos ao motivo da visita. Abaixo segue uma lista de quadrinhos (ou relacionados) que eu recomendaria como bons presentes de Natal para quem gosta de quadrinhos. (Você também pode chamar [ . . . ] LEIA MAIS


02/12/2014

Traduções: Casanova, Todos os Meus Amigos, Os Invisíveis, Vampiro Americano, Vertigo Especial, Sandman

Algumas traduções minhas que já saíram em 2014. Traduzir Casanova é dispersar um monte de (?) para o editor, revisor ou preparador bater o martelo depois. Nunca sei direito se captei a referência, o sentido ou o jogo que o Matt Fraction quis fazer no texto. Mas tento, juro que tento. Fraction caridosamente já respondeu algumas perguntas minhas (e ter contato com os autores que eu traduzo é uma coisa raríssima), mas tem coisas que nem perguntando a ele se resolvem fácil. No mínimo, [ . . . ] LEIA MAIS


01/08/2014